Predições do Apocalipse

0
962
Quando se fala em Apocalipse, muitas pessoas sentem um calafrio. É
como se essa palavra significasse algo muito terrível.
No entanto, a palavra apocalipse é de origem grega, e significa
revelação.
O último livro da Bíblia intitula-se Apocalipse, e traz algumas
previsões recebidas pelo apóstolo João, enquanto estava isolado na ilha de
Patmos.
Ele teve, através da visão psíquica, ou mediunidade, a revelação de
algumas situações futuras, que descreveu numa linguagem simbólica.
No capítulo 21, versículo 4, lemos: Naquele tempo não haverá mais
gritos, nem luto, nem trabalho, porque o que era antes terá passado.
Embora a predição tenha sido há mais de vinte séculos, essa época
predita no Apocalipse é chegada.
Uma breve análise torna clara e racional essa visão que João teve do
futuro.
Os Espíritos que fizeram essas revelações a João sabiam qual seria o
destino dos homens, pois eles próprios já fizeram essa trajetória.
Sabiam que, com o passar dos séculos, os Espíritos matriculados na
escola chamada Terra, evoluiriam.
Desenvolveriam suas inteligências e compreenderiam melhor as leis
divinas.
Ao afirmarem: Naquele tempo não haverá mais gritos, é que anteviam os
progressos que se realizariam no seio da Humanidade, trazendo as luzes das
ciências que evidenciam uma inteligência superior na administração da vida.
Sabiam que as luzes da razão se acenderiam e os homens entenderiam que
acima do Universo, onde se move o pequeno planeta Terra, reina a Sabedoria
Divina.
Entendidos o tempo e o espaço, a eternidade surgiria como única
alternativa lógica. E Deus seria a resposta sensata para as leis que regem
com perfeição o Universo inteiro.
Sem dúvida não pode mais haver gritos para aquele que entende Deus e
Seus atributos de infinita sabedoria, justiça e amor.
Quando o homem abandona o campo da crença e abre-se para o
conhecimento, sua razão consente em submeter-se às sábias leis, que reconhecem
justas.
O Apocalipse afirma: Não haverá mais luto.
Isso faz sentido desde que admitimos que nossos afetos que partiram
para o mundo espiritual, não estão perdidos, mas apenas ausentes.
Ora, ninguém veste luto por amigo ou parente ausente.
Mas o Apocalipse também diz que não haverá mais trabalho.
É que, quando se compreende o seu objetivo para a harmonia do
Universo, o trabalho torna-se um prazer, e as tarefas passam a ser executadas
com a solicitude do estatuário que se põe a polir a sua estátua.
Não haverá mais o trabalho da forma que o entendemos hoje, e sim como
uma excelente oportunidade de crescer que nos é concedida pelo Criador.
Com essa análise, as palavras do Apocalipse ganham novo sentido, e
entendemos melhor o que significam essas previsões:
Naquele tempo não haverá mais gritos, nem luto, nem trabalho, porque o
que era antes terá passado.
Realmente o que era antes já passou.
Foi um tempo em que a Humanidade ainda era relativamente infantil, e
não conseguia vislumbrar os dias melhores que estavam por vir.
Todavia, como o progresso é Lei Divina, fomos conhecendo a Verdade e
ela nos libertou da ignorância sobre esses temas.
Agora fica mais fácil entender a assertiva de Jesus, quando disse:
Antes que esta geração passe acontecerão grandes coisas.
Ora, a geração a que Jesus se referiu, é a Humanidade terrestre,
homens e Espíritos.
Uns no corpo físico e outros fora dele, mas todos, sem exceção,
confiados aos cuidados desse Irmão Maior, que conhecemos como Jesus Cristo.
Redação do Momento Espírita, com base em matéria publicada na Revista
Espírita de março de 1868, intitulada A regeneração (Instrução dos
Espíritos).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui