Parábola dos Talentos

0
656
                                                               

Porque
assim é como um homem que, ao ausentar-se para longe, chamou os seus servos e
lhes entregou os seus bens. E deu a um cinco talentos, e a outro dois, e a
outro deu um, a cada um segundo a sua capacidade, e partiu logo. O que recebera
pois cinco talentos, foi-se, e entrou a negociar com eles e ganhou outros
cinco. Da mesma sorte também o que recebera dois, ganhou outros dois. Mas o que
havia recebido um, indo-se com ele, cavou na Terra, e escondeu ali o dinheiro
de seu senhor. E passando muito tempo, veio o senhor daqueles servos, e
chamou-os a contas. E chegando-se a ele o que havia recebido os cinco talentos,
apresentou-lhe outros cinco talentos, dizendo: Senhor, tu me entregastes cinco
talentos; eis aqui tens outros cinco mais que lucrei. Seu senhor lhe disse:
Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel nas coisas pequenas, dar-te-ei a
intendência das grandes; entra no gozo do teu senhor. Da mesma sorte
apresentou-se também o que havia recebido dois talentos, e disse: Senhor, tu me
entregaste dois talentos, e eis aqui tens outros dois que ganhei com eles. Seu
senhor lhe disse: Bem está, servo bom e fiel, já que fostes fiel nas coisas
pequenas, dar-te-ei a intendência das grandes; entra no gozo de teu senhor.
            E
chegando também o que havia recebido um talento, disse: Senhor, sei que és
homem de rija condição; segas onde não semeaste, e recolhes onde não
espalhaste; e temendo me fui, e escondi o teu talento na Terra; eis aqui tens o
que é teu. E respondendo o seu senhor, lhe disse: Servo mau e preguiçoso, sabia
que sego onde não semeei, e que recolho onde não tenho espalhado. Devias logo
dar o meu dinheiro aos banqueiros, e, vindo eu, teria recebido certamente com
juro o que era meu. Tirai-lhe, pois, o talento, e dai ao que tem dez talentos.
Porque a todo o que tem, dar-se-lhe-á, e terá em abundância; e ao que não tem,
tirar-se-lhe-á até o que parece que tem. E ao servo inútil, lançai-o nas trevas
exteriores: ali haverá choro e ranger de dentes. (Mateus, XXV: 14-30).
Estes talentos são os dons que Deus
nos concede para nossa evolução e para contribuirmos com a evolução dos nossos
semelhantes e do planeta e que prestaremos contas!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui