A CADEIRA VAZIA – Recebi e Compartilho

0
955
Era uma singela igreja,
frequentada por moradores da região daquele distante bairro de Londres.

Os anos se passavam e o pequeno grupo se mantinha constante nas reuniões,
ocupando sempre os mesmos lugares.

Foi por isso mesmo muito fácil ao pastor descobrir, certo dia, uma cadeira
vazia. Estranhou, mas logo esqueceu.

Na semana seguinte, a mesma cadeira vazia lá estava e ninguém soube informar o
que estava acontecendo.

Na terceira ausência, o pastor resolveu visitar o faltoso. No dia frio, foi
encontrá-lo sentado, muito confortável, ao lado da lareira de sua casa, a ler.

Você está doente, meu filho? A resposta foi negativa. Ele estava bem.

Talvez esteja atravessando algum problema, ousou falar o pastor, preocupado.

Mas estava tudo em ordem. E o homem foi explicando que, simplesmente, deixara
de comparecer. Afinal, ele frequentava o culto há mais de vinte anos.

Sentava na mesma cadeira, pronunciava as mesmas orações, cantava os mesmos
hinos, ouvia os mesmos sermões. Não precisava mais comparecer. Ele já sabia
tudo de cor.

O pastor refletiu por alguns momentos. Depois, se dirigiu até a lareira, atiçou
o fogo e de lá retirou uma brasa.

Ante o olhar surpreso do dono da casa, colocou a brasa sobre a soleira de
mármore, na janela.

Longe do braseiro, ela perdeu o brilho e se apagou. Logo, era somente um carvão
coberto de cinza.

Surpreso, o fiel recalcitrante cedeu. – Tudo bem pastor; entendi a mensagem.

A partir daquele dia, voltou para igreja.

Imagina-se, o caro leitor que estou a sugerir-lhe que deve frequentar
regularmente reuniões doutrinárias das Casas Espíritas. Está redondamente…
certo! Porque a brasa fora do braseiro, esfria e apaga.

O exemplo das brasas é significativo.

Todos somos brasas no braseiro da fé. Se mantemos regular frequência ao templo
religioso, estudando e trabalhando, nos conservamos acesos e quentes.

Mas, exatamente como fazem as brasas, é preciso estender o calor. Assim,
acostumemos a não somente orar, pedir e esperar graças. Iluminados pelo
Evangelho de Jesus, nos disponhamos a agir em favor dos nossos irmãos.

Como as brasas unidas se transformam em um imenso fogaréu, clareando a
escuridão e aquecendo as noites gélidas, unidos aos nossos irmãos de ideal,
poderemos estabelecer o calor da esperança em muitas vidas.

Abrasados pelo amor a Jesus, poderemos transformar horas monótonas em trabalho
no bem.

A simples presença na assembleia da nossa fé, em um dinâmico trabalho de
estudos e aprendizado nos auxiliara a pacificar nosso Mundo Intimo, colaborando
com Jesus para a Pacificação do Planeta.

Richard Simonetti – Reformador – maio/2000, ed. FEB.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui