Falando ao oceano…

0
1533
               

Algumas folhas de papel, caídas sobre a areia de uma
praia pouco visitada, traziam as seguintes linhas:
“Quando abraço o oceano com o olhar, volto a
questionar milhões de coisas, tantas quanto as ondas que ganham a areia.
Volto a questionar: Como alguém pode sentir-se só na
presença do mar? Na presença desta brisa incessante? Na companhia deste
perfume raro?!
Como ainda posso me sentir só, sabendo que os braços do
Invisível me abraçam, que aqueles que partiram continuam existindo, e que
todos nós, sem exceção, somos amados por alguém!? Como ainda posso me sentir
só?
Talvez seja porque eu me isole do Mundo, e seja
exigente demais com as pessoas. Pode ser isso.
Talvez seja porque eu não permita que os outros
conheçam minha vida, meus sonhos, minhas dificuldades – acho que há um pouco
de orgulho nisso.
Quem sabe seja porque eu procure a solidão, e não ela
que me persiga, como eu imaginava.
É… talvez eu precise conversar mais com as pessoas,
me interessar mais por suas vidas, ouvir.
Há tempos que não ouço alguém; um desconhecido
relatando os acontecimentos corriqueiros do dia-a-dia; um colega de trabalho
falando das peripécias de seus filhos.
Meus irmãos: há tempos não converso com eles sobre
assuntos profundos, como planos para o futuro, lembranças boas do passado.
É curioso, pois lembro-me de que há algumas semanas
ouvi uma mensagem de cinco minutos, num programa de rádio, que falava sobre
isso, sobre como as pessoas se isolam umas das outras, e do quanto isto é
prejudicial para a saúde mental e física, já que uma é conseqüência da outra.
O locutor dizia que `Quem ama não se sente só´, pois
está sempre se doando, se envolvendo com os corações mais próximos, na
intenção de ajudar.
Dizia ainda que, quando nos sentimos úteis, e
concluímos que muitos dependem de nossa dedicação, de nosso amor, também
esquecemos da solidão.
Acredito que ele tenha razão, pois lembro que naquele
dia fui visitar uns tios que não via há muito tempo, e aquela visita fez-me
tão bem!
Falamos de assuntos comuns, como notícias de televisão,
notícias da família, mas ao final saí de lá menos tenso, menos preocupado com
a solidão.
Abracei minha tia, e a ouvi dizer, por entre lágrimas
discretas: `Gostamos muito de você, viu? Venha mais vezes! Não é sempre que
recebemos visitas!´
Ela está certa. Não é sempre que recebemos visitas,
pois não é sempre que visitamos os outros, creio eu.
Naquela tarde, vi que poderia ser útil em pequenas
coisas, e que aquilo me afastava um pouco da solidão.
Dentro do carro, voltando para casa, observando o
movimento intenso nas ruas, lembro de fazer estas mesmas perguntas: Como pode
alguém sentir-se só na presença de tanta gente, de tanta vida?
Quantos desses corações esperam apenas por uma visita?
E quantos deles estão dispostos a fazer uma?
E aqui está você, amigo oceano, à minha frente, ouvindo
todas estas minhas divagações. Acho que foi sua presença, rei das águas, que
me ajudou a entender melhor o que se passa em meu íntimo.
Agradeço profundamente por sua companhia, por conseguir
me ouvir, e por me dizer, mesmo sem falar, que o que preciso fazer é visitar
mais o coração de meu próximo.
Muito obrigado.”
Redação do
Momento Espírita, baseado em narrativa de autor desconhecido.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui